Central Blogs
. Licença Creative Commons
sulmoura de Maria Toscano está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://sulmoura.blogspot.pt/.

sexta-feira, junho 16, 2006

Corpo d'água, João Morgado

.

.

.«O nosso corpo é a nossa guerra, a nossa paz....

.

.E é na guerra que o meu corpo d’água

. em teu corpo de terra se desfaz...

.

.Encharco esse teu corpo sedento

. que, aos poucos, absorve de mim o alento,

. e é com medo que te esventro,

. só com medo...

. que te esventro com o medo que te vás!

.

.E neste meu corpo d’água que se tenta

. pelo teu corpo de terra sedenta

. jorra a nascente que te envolve

. te preenche e nos devolve… a paz!»

.

. João Morgado, In: Dordamor

2 comentários:

Teresa Sá Couto disse...

Pois...mas pelo que eu tenho...esse poema tem 12 versos, e as barras não deviam indicá-los? Como está, desvirtua-se a cadência rimática e a toada semântica que o João imprimiu...
Um abraço
Teresa

mouradia disse...

Pois, Teresa! Está cheia de razão!
não sei como, mas, de facto, juntei versos do poema

creio que, agora, está correcto.
Obrigada!!!
Volte sempre!
Bem haja!
bjs

já de abalada? ande cá! corra a cuartina de riscas e sente-se aí no mocho (no canapé? é melhor nã, nã seja que as preguetas lhe dêem cabo da roupa).
.
faz calôrê nã? é tempo dele! no cântaro hai água fresquinha! e se quiser entalar alguma coisaaaa... a asada das azeitonas está chêinha, no cesto hai bobinha e papo-secos (com essa chôriça... ou com o quêjo de cabra, iiiisso!, nessa seladêra de esmalte!);
.
chegue-se à mesa! - cuidado não lhe rebole a melancia para cima dos dedos do péi... assim... - entã nã se está melhórê?
.
nã, nã, agora nã vai máinada! estou a guardar-me pra logo... ora na houvera de sêri! ah! já lhe dê o chêro! pois é: alhos e coentros e um nadica de vinagrê... vem aí do alguidar de barro... sim, sã nas carnes prá cêa.
.
como nã sê o que o trouxe cá, forastêro, ‘stêja nesta sulmouradia como à da sua: pode ir mirando os links ("do monte"; "olivais..."; "deste planAlto..."; estas é que são...") os montes de que gostamos; pode ir vendo os posts por data ou esprêtando as nossas etiquêtas
("portados"); ou pode ir passando os olhos só pelos mais recentes.
.
ah! repare lá que por estes lados nã temos o hábito de editarê todos os dias - não é um blogue-diário, 'tá a vêri?; pensámo-lo antes como sendo uma espécie de blogue-testemunho das vozes do Sul (o de cá e os Suis todos); mas temos ainda muito qu'arengar... vamos lá chegando, n'éi? devagarê, que o sol quêma!
.