Central Blogs
. Licença Creative Commons
sulmoura de Maria Toscano está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://sulmoura.blogspot.pt/.

sexta-feira, abril 09, 2010

o mistério da separação da terra

.
.
.
.
.
.
.
***
.
do mistério da separação
da terra,
falo.
.
.
.
desenhado em raias
pelas falésias acima
por serranias e serras
cravado como excrescência
lasca excesso vacilante
pelas baías mais privadas
escondidas
marcado a ferro e ervas
em enclaves ermos do sul
.
da separação
da terra
— do pleno mistério
falo.
.
.
.
no Texto antigo lá está feito o aviso.
.
situada a metáfora no conflito
entre irmãos entre águas,
— situado o exemplo das águas —
assim foi contado ouvido e registado
para que ao longo dos tempos
imensos
a história fosse aprendida para que fosse evitada.
.
no Texto antigo o aviso já foi feito
metáfora entre guerras entre espadas.
.
no Antigo texto
onde não sobressaem as 7 saias
(nem saias)
das mulheres
desta terra que também
de nome é
também Nazaré.
.
.
.
há destes lapsos no curso da História.
.
herdam-se nomes de terras virtudes pessoas
feitos e defeitos
mas o sentido é só um
(potens, único
múltiplos pauper)
.
por isso mesmo
para equliíbrio e por justeza
o milagre sério
o verdadeiro
o milagre sem metáfora, o pleno,
é o da separação da terra
de pé.
.
.
.
***
.
chega o viajante o curioso
ou, tão-só, veraneante
de sol a sol
chega ao cimo de uma estrada de dois sentidos
— um, o que desce, por entre casas
fazendo curvas até ao sol.
outro, o que sobe, por entre casas,
cuidando de resguardar o sal.
ambos, dilectos ensinadores da cor do mar —
chega ao cimo dessa estrada
e à rotunda
que contorna para continuar a descer.
chega a meio e prossegue
na descida
chega.
até que a inclinação se deite a par do mar.
chega, esse que chegar,
ao piso raso a par do mar
a par e passo do areal do céu do sal
quer haja, ou não haja, sol.
.
chega.
e, ao chegar sabe, inteiramente,
onde parar.
chega — quem chegar —
para parar.
ainda a tempo de se habitar
pelo mistério.
ainda a tempo da separação da terra.
de pé.
.
chega.
desce.
pára.
a tempo
em tempo
(não há postal digital nem foto nipónica que o revele)
no tempo cadenciado
mensurado em contínua regra
desde o Tempo antigo.
.
chega. desce. pára.
para contemplar
— nada habita aquele que desconhece
a contemplação —
e, ao contemplar,
vibra e adere ao Texto antigo
e, assim, habita o certo, o vero mistério
da separação da terra
acto de salvamento de barquinho homem e filhos
no sítio sagrado
por dentro do mar furioso e
pela mão de uma Nazarena mulher.
.
.
.
maria toscano
Nazaré, Adega Oceano, 7 e 8 de Março/2010.
.
(nota: nestes mesmos dias, aprendi com as sábias gentes da Nazaré que, "ao pedaço" de rocha separado da montanha, verticalmente situado sob "O Sítio", chamam : "Guilhim". Valeu a pena escrever este texto: acabei por aprender o nome da rocha sobre a qual escrevi)
.
.
.

2 comentários:

maria manuel disse...

belíssimo poema!

"- nada habita aquele que desconhece
a contemplação -", versos que entreram em mim

e "da separação da terra (...)
por dentro do mar furioso
pela mão de uma Nazarena mulher", perfeito final.

Maria Toscano disse...

Maria Manuel: Obrigada pela visita! Bem Haja plas suas palavras! abraço, mt

já de abalada? ande cá! corra a cuartina de riscas e sente-se aí no mocho (no canapé? é melhor nã, nã seja que as preguetas lhe dêem cabo da roupa).
.
faz calôrê nã? é tempo dele! no cântaro hai água fresquinha! e se quiser entalar alguma coisaaaa... a asada das azeitonas está chêinha, no cesto hai bobinha e papo-secos (com essa chôriça... ou com o quêjo de cabra, iiiisso!, nessa seladêra de esmalte!);
.
chegue-se à mesa! - cuidado não lhe rebole a melancia para cima dos dedos do péi... assim... - entã nã se está melhórê?
.
nã, nã, agora nã vai máinada! estou a guardar-me pra logo... ora na houvera de sêri! ah! já lhe dê o chêro! pois é: alhos e coentros e um nadica de vinagrê... vem aí do alguidar de barro... sim, sã nas carnes prá cêa.
.
como nã sê o que o trouxe cá, forastêro, ‘stêja nesta sulmouradia como à da sua: pode ir mirando os links ("do monte"; "olivais..."; "deste planAlto..."; estas é que são...") os montes de que gostamos; pode ir vendo os posts por data ou esprêtando as nossas etiquêtas
("portados"); ou pode ir passando os olhos só pelos mais recentes.
.
ah! repare lá que por estes lados nã temos o hábito de editarê todos os dias - não é um blogue-diário, 'tá a vêri?; pensámo-lo antes como sendo uma espécie de blogue-testemunho das vozes do Sul (o de cá e os Suis todos); mas temos ainda muito qu'arengar... vamos lá chegando, n'éi? devagarê, que o sol quêma!
.